"Da raiva ter esse pulmão cheio de ar, esse motivo todo para gritar, essa gana toda de mudar e no final, engolir tudo, soltar o ar devagar e rezar pro mundo não te devorar."
SLR
Acredite, eu estou aqui como uma amiga do peito, que ja passou pelo que você esta passando e entende o que você esta sentindo.
Era melhor cair de um penhasco e sobreviver, com todos os ossos quebrados, pele dilacerada, e rosto desfigurado. Doeria menos, eu sei.
Talvez ser atropelada por um trem, perder todos os membros e precisar da ajuda de todos a sua volta. Doeria menos, também sei disso.
Mas essa doer é pior porque ela rasga em mil pedaços nossa alma, nos deixa vivos, sem nenhuma marca na pele, todas na cabeça, se repetindo como uma roda gigante sem parada para entrada de novos passageiros. Sozinha esta você, estou eu, nessa roda gigante ininterrupta.
As cenas passam, nossos olhos buscam novos pontos a cada girada, queremos achar onde foi que erramos, em que momento nos tornamos mortos vivos, e pior, porquê deixamos nossas almas serem despedaçadas por outrem.
Como te disse, ja passei por isso, e como amiga já te adianto. Você não vai encontrar nada, nem uma pista, um sinal, uma sombra de erro, porque a vida é assim, uma assassina cruel de almas sem grandes motivos. Talvez seja para.o seu próprio prazer, talvez seja para que aprendamos algo, mas enquanto você não se conformar, a roda vai girar.
Ela só para quando você consegue juntar sua alma, acalmar sua cabeça e deixar de ser um ser humano que vive em sociedade, entretanto, em estado vegetativo. 
Talvez da proxima vez você procure o penhasco, talvez procure o tem, porque procurar amor cansa e no final você sai de uma batalha perdida, de corpo e alma, por alguém que vai cavalgar inteiro de volta para casa.

-SLR.

Acredite, eu estou aqui como uma amiga do peito, que ja passou pelo que você esta passando e entende o que você esta sentindo.
Era melhor cair de um penhasco e sobreviver, com todos os ossos quebrados, pele dilacerada, e rosto desfigurado. Doeria menos, eu sei.
Talvez ser atropelada por um trem, perder todos os membros e precisar da ajuda de todos a sua volta. Doeria menos, também sei disso.
Mas essa doer é pior porque ela rasga em mil pedaços nossa alma, nos deixa vivos, sem nenhuma marca na pele, todas na cabeça, se repetindo como uma roda gigante sem parada para entrada de novos passageiros. Sozinha esta você, estou eu, nessa roda gigante ininterrupta.
As cenas passam, nossos olhos buscam novos pontos a cada girada, queremos achar onde foi que erramos, em que momento nos tornamos mortos vivos, e pior, porquê deixamos nossas almas serem despedaçadas por outrem.
Como te disse, ja passei por isso, e como amiga já te adianto. Você não vai encontrar nada, nem uma pista, um sinal, uma sombra de erro, porque a vida é assim, uma assassina cruel de almas sem grandes motivos. Talvez seja para.o seu próprio prazer, talvez seja para que aprendamos algo, mas enquanto você não se conformar, a roda vai girar.
Ela só para quando você consegue juntar sua alma, acalmar sua cabeça e deixar de ser um ser humano que vive em sociedade, entretanto, em estado vegetativo.
Talvez da proxima vez você procure o penhasco, talvez procure o tem, porque procurar amor cansa e no final você sai de uma batalha perdida, de corpo e alma, por alguém que vai cavalgar inteiro de volta para casa.

-SLR.

Não foi um punhal,
Nada que levasse metal, 
Meu fim foi uma visão, 
Que me sangra a alma.

Eramos ideais, 
Só você não viu,
Não deixou tornar real,
Meu sonho acordado. 

Não sei se existe inferno para os mortos, 
Mas meu inferno é real,
Me queima, me destroça, me mata,
Me transforma em agonia por dentro. 
E por fora nem uma gota você verá, 
Sangue ou lágrima, 
Tudo dentro vou guardar.

Não escondo dores por orgulho, 
Muito menos por vergonha.
Não deixo elas escaparem,
Por puro egoísmo de quem sofre, 
Mas não aguentaria ver seu inferno,
Sofrendo pela dor que causa a mim.

- SLR.

Não foi um punhal,
Nada que levasse metal,
Meu fim foi uma visão,
Que me sangra a alma.

Eramos ideais,
Só você não viu,
Não deixou tornar real,
Meu sonho acordado.

Não sei se existe inferno para os mortos,
Mas meu inferno é real,
Me queima, me destroça, me mata,
Me transforma em agonia por dentro.
E por fora nem uma gota você verá,
Sangue ou lágrima,
Tudo dentro vou guardar.

Não escondo dores por orgulho,
Muito menos por vergonha.
Não deixo elas escaparem,
Por puro egoísmo de quem sofre,
Mas não aguentaria ver seu inferno, Sofrendo pela dor que causa a mim.

- SLR.

3 weeks ago. 2 notes. Permalink.
Nunca te disse como seu sorriso ilumina minhas noites, mais que todas as estrelas do céu mais limpo e escuro juntas. Nunca te falei que te observo de longe, mesmo enquanto no mesmo ambiente. Gosto de ver como você procura uma parede para se recostar e como por magica, as pessoas vão chegando até você, como se seu corpo fosse um imã que atraisse, talvez contra sua própria vontade, pessoas que querem ou fazem de tudo, para ter sua atenção.  Sempre quis te dizer que eu adoro o barulho da sua risada, mas da risada sincera, que você só faz entre amigos ou quando conversamos sobre nossas banalidade de extremo interesse mútuo. Jamais disse que eu poderia ser a pessoa que você procura, não posso dizer isso, não sei o que você procura, mas seria minha maior alegria, ser a que preenche seu vazio e falta de fé no amor, bem comum para a nossa geração.  Nunca te chamei de amigo, apesar de querer que um dia nos tornemos melhores amigos, com benefícios. Não quero ficar presa no limbo do desejo e da amizade, prefiro a dor do desamor à jaula da amizade. Talvez ja tenha te digo, nas entrelinhas, que hoje, é com você que eu durmo e acordo pensando. Com toda certeza não disse que seu abraço me acalma, minha orelha, pousada no seu peito, escuta sua calma sístole e diastole; E talvez você nunca tenha reparado, mas eu fecho os olhos, porque quando eu te abraço, o mundo perde a graça, ver perde o sentido, quando eu posso ouvir a melodia do seu corpo. Não te contei quantas vezes me doeu te ver com outras mulheres; E como doeu, só de lembrar eu sinto a dor novamente, latente, aguda, mas interna. Meu rosto de jogadora de poker não esboça grandes mudanças, mas meus pés, pobres pés, eles se recuam, levam meu corpo pra longe, pois acredita que a distância física vai diminuir a dor interna. Pobres pés, tem as melhores intenções, mas não mudam minhas sensações.  Sou à moda antiga, gosto de ser cortejada, gosto de atenção, gosto de pequenos detalhes e conversas inocentes. Tenho aberto mão desse meu molde natural, tentado esculpir um novo modelo de mim mesma, um que consiga chamar sua atenção. Entalhar uma mulher mais moderna que te chame para sair sem medo, que te corteje como eu gostaria de ser cortejada, que consiga dar sinais claros do meu interesse.  Nunca te disse que te amo, como um todo, amo seu conjunto, amo sua simplicidade, sua calma, seu lado reservado. Nunca te disse … e provavelmente nunca direi nada disso, nasci covarde para iniciativas, talvez tenha nascido insegura demais para dar segurança a duas pessoas ao mesmo tempo, mal consigo dar segurança para mim mesma, talvez você seja a pessoa certa na hora errada ou eu a certa no tempo errado. De um jeito ou de outro, você tem minha voz, tem meu coração, mas não consigo te dar isso, te dar oralmente tudo que escrevi aqui, o medo de perder o pouco que tenho me domina, e mesmo com pouco de ti já não tem sido fácil seguir, sem nada … sabe Deus o que será de mim.
-SLR.

Nunca te disse como seu sorriso ilumina minhas noites, mais que todas as estrelas do céu mais limpo e escuro juntas.
Nunca te falei que te observo de longe, mesmo enquanto no mesmo ambiente. Gosto de ver como você procura uma parede para se recostar e como por magica, as pessoas vão chegando até você, como se seu corpo fosse um imã que atraisse, talvez contra sua própria vontade, pessoas que querem ou fazem de tudo, para ter sua atenção.
Sempre quis te dizer que eu adoro o barulho da sua risada, mas da risada sincera, que você só faz entre amigos ou quando conversamos sobre nossas banalidade de extremo interesse mútuo.
Jamais disse que eu poderia ser a pessoa que você procura, não posso dizer isso, não sei o que você procura, mas seria minha maior alegria, ser a que preenche seu vazio e falta de fé no amor, bem comum para a nossa geração.
Nunca te chamei de amigo, apesar de querer que um dia nos tornemos melhores amigos, com benefícios. Não quero ficar presa no limbo do desejo e da amizade, prefiro a dor do desamor à jaula da amizade.
Talvez ja tenha te digo, nas entrelinhas, que hoje, é com você que eu durmo e acordo pensando.
Com toda certeza não disse que seu abraço me acalma, minha orelha, pousada no seu peito, escuta sua calma sístole e diastole; E talvez você nunca tenha reparado, mas eu fecho os olhos, porque quando eu te abraço, o mundo perde a graça, ver perde o sentido, quando eu posso ouvir a melodia do seu corpo.
Não te contei quantas vezes me doeu te ver com outras mulheres; E como doeu, só de lembrar eu sinto a dor novamente, latente, aguda, mas interna. Meu rosto de jogadora de poker não esboça grandes mudanças, mas meus pés, pobres pés, eles se recuam, levam meu corpo pra longe, pois acredita que a distância física vai diminuir a dor interna. Pobres pés, tem as melhores intenções, mas não mudam minhas sensações.
Sou à moda antiga, gosto de ser cortejada, gosto de atenção, gosto de pequenos detalhes e conversas inocentes. Tenho aberto mão desse meu molde natural, tentado esculpir um novo modelo de mim mesma, um que consiga chamar sua atenção. Entalhar uma mulher mais moderna que te chame para sair sem medo, que te corteje como eu gostaria de ser cortejada, que consiga dar sinais claros do meu interesse.
Nunca te disse que te amo, como um todo, amo seu conjunto, amo sua simplicidade, sua calma, seu lado reservado.
Nunca te disse … e provavelmente nunca direi nada disso, nasci covarde para iniciativas, talvez tenha nascido insegura demais para dar segurança a duas pessoas ao mesmo tempo, mal consigo dar segurança para mim mesma, talvez você seja a pessoa certa na hora errada ou eu a certa no tempo errado. De um jeito ou de outro, você tem minha voz, tem meu coração, mas não consigo te dar isso, te dar oralmente tudo que escrevi aqui, o medo de perder o pouco que tenho me domina, e mesmo com pouco de ti já não tem sido fácil seguir, sem nada … sabe Deus o que será de mim.

-SLR.

"Morrer é fácil, viver é o desafio, mesmo quando, as vezes, apenas sobreviver é necessário."
SLR.
Quem convive comigo, quem me conhece, ou quem pergunta qual minha banda favorita, para todos dou a mesma resposta: QueenEngraçado que tem gente que não considera Queen como uma banda de rock, alguns dizem ser pop, outros dizem que eles tem muita influencia de black music.Bom, eu não sou nenhuma conhecedora a fundo de acústica, de estilos, mas se tem uma coisa que eu sinto, é quando algo tem significado para quem escreveu, quem cantou, quem ouviu.Meu maior ídolo musical é sem sombra de dúvidas o Freddy Mercury, ele era uma pessoa completa, coração, cabeça e talento, ele sabia melhor do que ninguém fazer multidões cantarem suas letras, não era à toa que ele dizia que não queria ser um astro do rock, ele queria ser uma lenda, e o que não seriam lendas que histórias reais ou que devam nos inspirar e ajudar a direcionar nossa vida, e de todas as coisas que ele quis na vida essa ele realmente conseguiu, ele é uma lenda.Mas como eu disse, ele era uma pessoa completa,entretanto, como pessoal … não era, o rei das letras e melodias apaixonantes e apaixonadas, nunca sentiu amado de verdade, isso sempre lhe faltou, Freddy passou a vida sendo amado por seu público, ele era uma pessoa amada, entretanto, ele foi uma pessoa que passou pela vida e nunca encontrou o amor. Mentira, ele encontrou amor na primeira esposa, mas esse amor se tornou amizade, pois o amor que ele queria vinha de outra natureza, de outro gênero, de outra forma, de outra intensidade.Desde jovem ele sofria com colegas de colégio que o chamavam de afeminado, Freddy nunca assumiu abertamente dentro de casa que era bissexual ou homossexual, o que também nunca incomodou sua família que o apoiava em tudo que ele fizera, Paixão avassaladora, aquela que deixa a gente sem norte, sabe? Nunca teve, Freddy sempre deixou claro em suas músicas que o amor seria sua maior alegria, mas era a sua maior tristeza, chegando a escrever músicas como “Somebody to love”, uma letra que ao ser lida soa como um pedido de socorro, como uma indignação, quase como “Como todos conseguem ser felizes e eu não? Eu faço tudo direito, então por favor, alguém me ajude, porque eu preciso encontrar alguém que eu ame e seja recíproco”Desde criança eu gostava de ouvir as músicas da banda. Quando tinha uns 4 anos, eu perguntei ao meu pai: “esse moço vai vir pro Brasil um dia pai?” Ele me respondeu: “Filha, esse moço já foi pro céu”. e eu chorei, com 4 anos, não sabia de nada sobre a vida dele, não entendia nada das músicas dele, mas de alguma forma sempre me senti conectada a ele. Talvez seja essa busca eterna por amor, não qualquer amor, afinal, já amei nessa vida, mas em busca da paixão arrebatadora, que me faça dizer como ele dizia em uma das suas músicas: “I was born to love you, every single day of my life”.Meu ídolo é uma lenda, deixou esse plano devido a uma doença, que hoje, seria tratável, mas eu sinto, eu sempre senti, eu tenho você dentro de mim desde a barriga da minha mãe, e talvez eu venha para ter a mesma sina que você teve, talvez para ter uma trajetória diferente, mas de uma coisa eu tenho certeza, eu nasci antes de você partir, e isso, isso não foi por acaso.
- SLR.

Quem convive comigo, quem me conhece, ou quem pergunta qual minha banda favorita, para todos dou a mesma resposta: Queen
Engraçado que tem gente que não considera Queen como uma banda de rock, alguns dizem ser pop, outros dizem que eles tem muita influencia de black music.Bom, eu não sou nenhuma conhecedora a fundo de acústica, de estilos, mas se tem uma coisa que eu sinto, é quando algo tem significado para quem escreveu, quem cantou, quem ouviu.
Meu maior ídolo musical é sem sombra de dúvidas o Freddy Mercury, ele era uma pessoa completa, coração, cabeça e talento, ele sabia melhor do que ninguém fazer multidões cantarem suas letras, não era à toa que ele dizia que não queria ser um astro do rock, ele queria ser uma lenda, e o que não seriam lendas que histórias reais ou que devam nos inspirar e ajudar a direcionar nossa vida, e de todas as coisas que ele quis na vida essa ele realmente conseguiu, ele é uma lenda.
Mas como eu disse, ele era uma pessoa completa,entretanto, como pessoal … não era, o rei das letras e melodias apaixonantes e apaixonadas, nunca sentiu amado de verdade, isso sempre lhe faltou, Freddy passou a vida sendo amado por seu público, ele era uma pessoa amada, entretanto, ele foi uma pessoa que passou pela vida e nunca encontrou o amor. Mentira, ele encontrou amor na primeira esposa, mas esse amor se tornou amizade, pois o amor que ele queria vinha de outra natureza, de outro gênero, de outra forma, de outra intensidade.
Desde jovem ele sofria com colegas de colégio que o chamavam de afeminado, Freddy nunca assumiu abertamente dentro de casa que era bissexual ou homossexual, o que também nunca incomodou sua família que o apoiava em tudo que ele fizera, 
Paixão avassaladora, aquela que deixa a gente sem norte, sabe? Nunca teve, Freddy sempre deixou claro em suas músicas que o amor seria sua maior alegria, mas era a sua maior tristeza, chegando a escrever músicas como “Somebody to love”, uma letra que ao ser lida soa como um pedido de socorro, como uma indignação, quase como “Como todos conseguem ser felizes e eu não? Eu faço tudo direito, então por favor, alguém me ajude, porque eu preciso encontrar alguém que eu ame e seja recíproco”
Desde criança eu gostava de ouvir as músicas da banda. Quando tinha uns 4 anos, eu perguntei ao meu pai: “esse moço vai vir pro Brasil um dia pai?” Ele me respondeu: “Filha, esse moço já foi pro céu”. e eu chorei, com 4 anos, não sabia de nada sobre a vida dele, não entendia nada das músicas dele, mas de alguma forma sempre me senti conectada a ele. Talvez seja essa busca eterna por amor, não qualquer amor, afinal, já amei nessa vida, mas em busca da paixão arrebatadora, que me faça dizer como ele dizia em uma das suas músicas: “I was born to love you, every single day of my life”.
Meu ídolo é uma lenda, deixou esse plano devido a uma doença, que hoje, seria tratável, mas eu sinto, eu sempre senti, eu tenho você dentro de mim desde a barriga da minha mãe, e talvez eu venha para ter a mesma sina que você teve, talvez para ter uma trajetória diferente, mas de uma coisa eu tenho certeza, eu nasci antes de você partir, e isso, isso não foi por acaso.

- SLR.

Hoje, vagando pela internet, esse mar de conhecimento que normalmente é usado para se expor ou assistir a exposição dos outros, enquanto o que deveria mesmo ser observado, são todos os poços de informações, onde o seu balde de interesse deveria se encher de. 
Mas eu gosto de ler, busco sempre imagens e textos que me inspirem; E em algum, em algum cantinho, achei alguém escrevendo sobre uma teoria. A teoria de que nós não passamos de palavras em livros, por isso não nos desapegamos do passado e estamos sempre buscando e tentando descobrir, no presente, como será o final da nossa historia. Confesso que o texto era em inglês e bem sucinto, mas me fez pensar por bastante tempo, inclusive agora, ainda penso sobre ele enquanto escrevo, talvez até mesmo enquanto você o lê.
Uma teoria: ser um livro, ser um amontoado palavras, uma pessoa que se resume a palavras ditas, pensadas e ouvidas … Não sou fã de abraçar teorias cegamente, mas essa parece ter me trazido algo que eu sempre busquei, me trouxe além de calma, me trouxe propósito.
Eu amo falar, eu amo escrever, talvez nem seja eu que escreva minha história,  talvez seja alguma outra pessoa que criou, me tornou uma personagem alegre, falante, baixinha, carente, que como toda pisciana vive entre altos e baixos. Seja lá quem for que escreva minha história, eu ou um desconhecido, quero que, nós dois saibamos que temos licença poética, podemos fazer capítulos marcantes e alguns relaxantes, mas minha única exigência, é que uma de nós ou nós duas me façam aproveitar o máximo dessas palavras, o máximo desse livro da vida, porque um dia, meus filhos o lerão para meus netos, e contarão em voz alta minhas alegrias e minhas tristezas em tom de aprendizado, para que no livro da vida deles, eles não precisem cometer os mesmos erros que eu cometi em alguns capítulos da vida.
Me da paz pensar que minha vida é um livro, não importa quem escreva, se eu sou palavras, serei perpetuada, e isso, isso é viver pra sempre na biblioteca de quem conviveu comigo, alguns com carinho, alguns com dor, e a esses eu gostaria de pedir perdão mas sou errante e estou longe da perfeição, então toda dor que lhes causei, serviu para que eu evitasse a dor de outros que vieram mais a frente; Entretanto mais do que isso, eu vou estar na biblioteca de quem me amou, e esses, ah, esses me fazem querer fazer ou que façam por mim um lindo livro, porquê se for pra ser perpetuada, que seja por uma história inspiradora, e que pelo menos alguém entenda que tudo que fiz nesse livro da vida, foi por amor, a todos vocês que um dia me terão em sua biblioteca mental.

- SLR.

Hoje, vagando pela internet, esse mar de conhecimento que normalmente é usado para se expor ou assistir a exposição dos outros, enquanto o que deveria mesmo ser observado, são todos os poços de informações, onde o seu balde de interesse deveria se encher de. Mas eu gosto de ler, busco sempre imagens e textos que me inspirem; E em algum, em algum cantinho, achei alguém escrevendo sobre uma teoria. A teoria de que nós não passamos de palavras em livros, por isso não nos desapegamos do passado e estamos sempre buscando e tentando descobrir, no presente, como será o final da nossa historia. Confesso que o texto era em inglês e bem sucinto, mas me fez pensar por bastante tempo, inclusive agora, ainda penso sobre ele enquanto escrevo, talvez até mesmo enquanto você o lê.
Uma teoria: ser um livro, ser um amontoado palavras, uma pessoa que se resume a palavras ditas, pensadas e ouvidas … Não sou fã de abraçar teorias cegamente, mas essa parece ter me trazido algo que eu sempre busquei, me trouxe além de calma, me trouxe propósito.
Eu amo falar, eu amo escrever, talvez nem seja eu que escreva minha história, talvez seja alguma outra pessoa que criou, me tornou uma personagem alegre, falante, baixinha, carente, que como toda pisciana vive entre altos e baixos. Seja lá quem for que escreva minha história, eu ou um desconhecido, quero que, nós dois saibamos que temos licença poética, podemos fazer capítulos marcantes e alguns relaxantes, mas minha única exigência, é que uma de nós ou nós duas me façam aproveitar o máximo dessas palavras, o máximo desse livro da vida, porque um dia, meus filhos o lerão para meus netos, e contarão em voz alta minhas alegrias e minhas tristezas em tom de aprendizado, para que no livro da vida deles, eles não precisem cometer os mesmos erros que eu cometi em alguns capítulos da vida.
Me da paz pensar que minha vida é um livro, não importa quem escreva, se eu sou palavras, serei perpetuada, e isso, isso é viver pra sempre na biblioteca de quem conviveu comigo, alguns com carinho, alguns com dor, e a esses eu gostaria de pedir perdão mas sou errante e estou longe da perfeição, então toda dor que lhes causei, serviu para que eu evitasse a dor de outros que vieram mais a frente; Entretanto mais do que isso, eu vou estar na biblioteca de quem me amou, e esses, ah, esses me fazem querer fazer ou que façam por mim um lindo livro, porquê se for pra ser perpetuada, que seja por uma história inspiradora, e que pelo menos alguém entenda que tudo que fiz nesse livro da vida, foi por amor, a todos vocês que um dia me terão em sua biblioteca mental.

- SLR.
Sometimes i wish i could only speak in english, my brain works better on this, in portuguese it looks so much more intense, and words are harder to come out without the feeling that i’m doing the wrong thing.
If i could only say the things that are stuck on my head, out lound, but with the lightness of the english, probably i’d be the most corageous girl in the world, i would declare myself whenever i felt the need, i would be able to love out lound and not really quiet as i do with my birth language.
It feels like portuguese makes me feel stuck on the ground while the english could give me wings to be free and do whatever i wanted, whatever i needed, even if i felt the need to be stuck in the ground; This is the thing in life, to have choises, and my only way to have choises is talking to myself inside my brain, because as long as i live here, i’ll be always without choice, i’m stuck in the ground, scared to show any feeling to anyone because here, i have no where to scape, my words are so heavy that sometimes it doesn’t even feel like it’s a way of comunication, feels like a knife that i cut everyone with, even me, cuz saying thinks outlound, even things conected to love, they cut me inside, because it never sounds the way i ment to be. I wish i could turn to you and say how i really feel, but my portuguese makes it impossible, if i told you everything in my birth language, maybe i would never feel able to look at your face again, and among all the things, your face is the only thing i won’t give up.

Sometimes i wish i could only speak in english, my brain works better on this, in portuguese it looks so much more intense, and words are harder to come out without the feeling that i’m doing the wrong thing.
If i could only say the things that are stuck on my head, out lound, but with the lightness of the english, probably i’d be the most corageous girl in the world, i would declare myself whenever i felt the need, i would be able to love out lound and not really quiet as i do with my birth language.
It feels like portuguese makes me feel stuck on the ground while the english could give me wings to be free and do whatever i wanted, whatever i needed, even if i felt the need to be stuck in the ground; This is the thing in life, to have choises, and my only way to have choises is talking to myself inside my brain, because as long as i live here, i’ll be always without choice, i’m stuck in the ground, scared to show any feeling to anyone because here, i have no where to scape, my words are so heavy that sometimes it doesn’t even feel like it’s a way of comunication, feels like a knife that i cut everyone with, even me, cuz saying thinks outlound, even things conected to love, they cut me inside, because it never sounds the way i ment to be. I wish i could turn to you and say how i really feel, but my portuguese makes it impossible, if i told you everything in my birth language, maybe i would never feel able to look at your face again, and among all the things, your face is the only thing i won’t give up.

Como pode ser possível, tão perto e tão impossível. Quero me aproximar dessa dúvida que me fascina, quero saber se a dúvida também se fascina por mim, sem exageros, sem desespero, sem pressa; Afinal o que é mais algum tempo para quem já convive com o motivo da sua agonia. O tempo passa e eu ora sou chapeleiro, fantasioso, esperançoso e apaixonado, ora sou Alice, afogada em dúvidas e dentro de um mundo que ela mesmo criou … ou foi sugada para, nunca saberemos a verdade realmente. Eu só espero que em algum momento em meio a essa tormenta eu não me torne a rainha de copas, pintando tudo de vermelho com meu ódio, e cortando cabeças a minha volta, porque, por falta de cabeças, um dia posso cortar a minha própria.
- SLR.

Como pode ser possível, tão perto e tão impossível. Quero me aproximar dessa dúvida que me fascina, quero saber se a dúvida também se fascina por mim, sem exageros, sem desespero, sem pressa; Afinal o que é mais algum tempo para quem já convive com o motivo da sua agonia.
O tempo passa e eu ora sou chapeleiro, fantasioso, esperançoso e apaixonado, ora sou Alice, afogada em dúvidas e dentro de um mundo que ela mesmo criou … ou foi sugada para, nunca saberemos a verdade realmente. Eu só espero que em algum momento em meio a essa tormenta eu não me torne a rainha de copas, pintando tudo de vermelho com meu ódio, e cortando cabeças a minha volta, porque, por falta de cabeças, um dia posso cortar a minha própria.

- SLR.

A dor é eminente, não existe pessoa que passe pela vida sem sentir dor, seja física, seja emocional, seja mental, ou sejam todas, juntas ou separadas, a sina do homem é o sofrimento, mas a vocação do homem é a felicidade, não importa o quanto de dor nós teremos que passar, o quão fundo vai machucar, nossa felicidade é ver cicatrizar, é ver curar, é sentir vontade de se jogar novamente, porque não adianta fugir da dor, ela vai nos achar, mas a felicidade? Ah, essa nunca há de nos abandonar.
- SLR.

A dor é eminente, não existe pessoa que passe pela vida sem sentir dor, seja física, seja emocional, seja mental, ou sejam todas, juntas ou separadas, a sina do homem é o sofrimento, mas a vocação do homem é a felicidade, não importa o quanto de dor nós teremos que passar, o quão fundo vai machucar, nossa felicidade é ver cicatrizar, é ver curar, é sentir vontade de se jogar novamente, porque não adianta fugir da dor, ela vai nos achar, mas a felicidade? Ah, essa nunca há de nos abandonar.

- SLR.

Page 1 of 44